quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Do Porto à ilha das Flores em 62 horas!

Sou açoriano, natural da ilha das Flores, Açores. Vivo no Continente, na Maia, desde há treze anos. Em Janeiro do corrente ano fiz reservas [para uma viagem] de avião para três pessoas e um cão Pastor Alemão, no balcão da SATA Air Açores, no Aeroporto Sá Carneiro, [sendo agendada essa viagem] para a ilha das Flores no dia 12 do mês de Julho, com chegada a esta mesma ilha, no mesmo dia.

A epopeia. Às cinco horas da manhã do dia 12 de Julho, faço o check-in, no Aeroporto do Porto, para embarcar às seis [horas da manhã] para os Açores, com escala por Lisboa. Tenho a informação de que a reserva do meu cão não aparece. Afinal, alegou o funcionário, ela só não aparecia no monitor dele, mas estava no [monitor] da colega. (Tarefeiros sazonais!)
Depois de termos chegado à ilha Terceira, fomos informados de que o [nosso] voo para as Flores num [avião] ATP da SATA Regional, previsto para as 12h45, havia [sido] cancelado devido às más condições atmosféricas nesta ilha. No entanto, foram realizados dois voos para as Flores, por esta mesma operadora [a SATA], após este cancelamento e neste mesmo dia. Entretanto, o [nosso] voo foi adiado para o dia seguinte, para as 18h45.
Após longa espera na tradicional fila portuguesa, fomos testando as nossas paciências vendo as funcionárias da SATA a preencher requisições para refeições e para transportes, manualmente!
Surge outro problema: é que viajo com um cão. Após alguma tensão informam-me que há um Hotel que aceita cães; mas tem uma condição: “o senhor tem que ficar com o seu cão no quarto e comprometer-se de que ele não ladra, e tem que sair frequentes vezes à rua para ele não fazer [as suas] necessidades [fisiológicas] no quarto”. Questiono-a se quer que enrole fita adesiva em torno da boca do cão, para que este não ladre. Esta replica que são exigências do Hotel. Hilariante!

Segundo dia. Novo check-in. Nova espera. Mais tarde, aparece a informação nos monitores da Aerogare [da ilha Terceira]: “Voo para as Flores atrasado. Novas informações às 19 horas”.
Às 19h45, ainda não havia nem novas informações nem funcionários da SATA nos balcões de check-in, e nem existe balcão de informações no Aeroporto. Acresce dizer que todas as vezes que fizemos check-in, o cão teve de tomar tranquilizantes, por conselho do veterinário!
O único balcão da SATA aberto àquela hora, com uma funcionária era o [balcão] das reservas. Foi aí que pedi informações sobre as razões, quer do atraso do [nosso] voo para as Flores, quer pela falta da informação que se impunha. Exigi a presença do supervisor de serviço da SATA, a fim de lhe pedir explicações sobre este voo. A muito custo, este lá apareceu. Chegou com ar arrogante, quis abreviar a minha conversa, alegando ter muito que fazer. Questiono-o acerca do atraso do [nosso] voo e da falta de cumprimento de informar os passageiros na hora anunciada. O senhor [supervisor de serviço da SATA] lá do alto da sua pequenez informou que o atraso se deveu ao embarque de um passageiro emacado nas Flores, de onde a aeronave regressaria para efectuar o nosso voo Terceira/Flores. Exijo-lhe a verdade e informo-o de que trabalho há 27 anos em Aeroportos e não é esse facto que provoca um atraso de duas horas num voo; é que eu tive conhecimento, através de um funcionário da SATA, que o atraso se deveu a uma avaria técnica no avião que fazia a ligação Terceira/Horta/Flores, e que era o mesmo [avião] que nos levaria às Flores aquando do seu regresso Flores/Horta/Terceira. Aguardamos, mas com a convicção de que ainda não seria no segundo dia [da nossa viagem] que chegaríamos às Flores.

A encenação. Cerca das 20h30, o dito supervisor [de serviço da SATA] fez uma encenação: avisou os passageiros para [imediatamente] se dirigirem para a sala de embarque, e quem não chegasse a tempo ficava atrás [no voo para a ilha das Flores]. Foi a debandada total [do balcão de reservas da SATA no Aeroporto da Terceira]; embora eu não acreditasse na manobra ilusória, pois devido à hora do pôr-do-Sol no Aeroporto das Flores (sendo uma pista sem iluminação própria para os [aviões] ATP), era de prever que o [nosso] voo fosse cancelado outra vez. Assim foi. Afastados que fomos do balcão de reservas, e já na sala de embarque, somos informados de que tudo havia sido feito [pela transportadora, SATA] para realizar o voo naquele dia, mas por razões da chegada tardia do avião [à ilha Terceira], e devido ao pôr-do-Sol nas Flores, o [nosso] voo era (outra vez) cancelado. Como se fosse necessário o comandante [do avião] chegar à Terceira, para então se dar conta de que [naquele dia] já não dava tempo de voltar às Flores! O [nosso] voo é novamente marcado para o dia seguinte, para as seis e tal da tarde. Uma hora depois, ainda na sala de embarque, esperávamos que aparecesse um funcionário da SATA para emitir, manualmente, uma a uma, as requisições (voucher), para cada passageiro, para cada refeição e para cada viagem de táxi. (Já está cansado de ler, e que diríamos nós do que passámos?) Uf!
Saímos do Aeroporto [da ilha Terceira] era dez horas da noite! Mas há mais! Enquanto esperávamos na dita filinha (como mendigos que esperam umas migalhas), as nossas bagagens foram postas sobre a passadeira rolante sem nos avisarem, e os bons profissionais da SATA abalaram dali, ficando as mesmas [bagagens], a andar à roda e o meu cão também. Um familiar meu, que ouvindo o nosso animal a ladrar foi pelo exterior da Aerogare (entenda-se lado terra), teve acesso às nossas bagagens e ao meu cão. É claro que leu bem! Qualquer pessoa podia ter levantado as nossas bagagens naquele dia e àquela hora! São dez horas da noite. Temos de procurar um táxi. Mas não um qualquer, pois terá de ser uma carrinha para poder levar um cão. Lá apareceu um.
Fomos para Angra [do Heroísmo], para casa dos simpáticos compadres Toste, que nos acolheram aos quatro. Ao menos aqui não tivemos de dormir com o cão, nem de lhe selar a boca com fita adesiva para ele não ladrar! Pusemos as malas em casa, procurámos um restaurante, mas estes estavam fechados. Lá nos “desenrascámos” num “snack-bar”. Pedimos factura pois as ditas requisições não eram ali aceites. Disseram-nos na SATA, que esta tem um “contrato apenas com alguns restaurantes”. Vá-se lá saber o que estará por detrás destes contratos exclusivos, e qual a legalidade disto!?
Chegados a casa, abrimos uma mala e eis que tínhamos a roupa quase toda manchada; mas se havíamos entregue a mala [poucas] horas antes no balcão do check-in com tudo inteiro, era estranho que tivessem rebentado algo que tínhamos dentro, sem que a mala tivesse viajado! Para mais, já tínhamos vindo do Porto, feito escala em Lisboa (uma maçada esta escala), e tinha chegado tudo em condições à Terceira!

Terceiro dia. Dia 14 de Julho. Voo programado [novamente] para o final da tarde, fazia-nos temer o pior. É que não vá o diabo tecê-las e estes gajos ainda cancelam outra vez o [nosso] voo. Mas não. Lá partimos desta vez (à terceira foi de vez), à hora marcada.

Resumindo. Saímos do Porto às seis horas da manhã do dia 12 de Julho, e chegámos às Flores no dia 14, às 20h30. Mas a epopeia não acaba aqui! Se pensava que já se ia ver livre disto, engana-se! É que é preciso reembolsar as despesas do tal jantar da véspera na [ilha] Terceira! Disseram-nos lá, que podíamos reembolsar essa despesa nas Flores. Alguns dias depois, nas Flores, fui ao balcão [de vendas] da SATA, solicitar a citada despesa. Sou informado que esses pagamentos são feitos no [balcão da SATA no] Aeroporto [da ilha das Flores]. Lá vou eu. Estranho. É meio-dia menos cinco (ou se quiserem cinco [minutos] para o meio dia), “bato com o nariz nas portas”. A Aerogare está fechada para os empregados [da SATA] irem almoçar! Isto é que é desenvolvimento! Volto noutro dia. Atende-me uma jovem antipática [funcionária da SATA], que me informa que deveria fazer o reembolso na Terceira; que deveria ter usado as requisições no Hotel de Angra, onde tinha ficado alojado. Mas eu nem estive alojado nesse Hotel! Olha para os papéis, volta a olhar, vira-me as costas, volta uma eternidade depois. Enfim, depois de muita insistência minha, a maldisposta empregada [da SATA] desapareceu sem dizer nada. Voltou mais tarde, desta vez acompanhada pelo simpático supervisor [de serviço da SATA], que por sua vez me informa que terei de voltar no dia seguinte, pois já tinha fechado a caixa. Eram quatro [horas] e meia da tarde. No dia seguinte, nova ida ao Aeroporto, lá levantei uns míseros trinta euros.

Regresso ao Porto, no dia 12 de Agosto. Espero as malas e o cão. As malas lá apareceram, o cão é que nem vê-lo. Ficámos preocupados. Tento encontrar alguém [no Aeroporto Sá Carneiro, no Porto] que me dê informações sobre o meu fiel amigo. Nada. Vejo um arrumador de carrinhos de bagagem. Peço-lhe informações de como localizar o [meu] animal, o bom homem disse-me que lá ao fundo da Aerogare havia um tapete especial para bagagens fora de formato. Lá me dirigi. E lá estava o meu bom amigo sobre um carrinho [de transporte de bagagem], sozinho, e já a “pensar” que o seu dono o havia abandonado. É assim em época de férias em Portugal! E ainda, todas as vezes que faço esta viagem para este destino [a ilha das Flores], regresso sempre [ao Porto], com a bagagem danificada.

Aqui fica o alerta para quem pretenda viajar pela SATA Air Açores, que terá de contar com um serviço medíocre!
Aqui fica, também, outro alerta para o Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC): o avião em que viajámos no regresso de Flores/Ponta Delgada, o ATP, CS-TGN [«Flores»], tinha um escorrimento de óleo hidráulico ao longo da parte superior do motor esquerdo. E consta, que as avarias têm sido frequentes nas aeronaves da SATA Regional. Será que a manutenção destes aparelhos é rigorosamente cumprida? Tenho sérias dúvidas!
Finalmente, fica uma chamada de atenção ao Conselho de Administração da SATA, bem como à “Coordenação” da mesma, para que respeitem aqueles que contribuem para os chorudos salários que recebem e sejam competentes.
Acresce dizer, que obviamente formalizámos [est]as nossas reclamações no respectivo livro, e sugiro aos leitores que passem por situações idênticas, que façam o mesmo. É um direito que nos assiste.
PS: Um advogado, companheiro nosso nesta viagem de infortúnio, irá processar judicialmente a SATA, pelo ocorrido.

Francisco Aurélio Braz

O presente artigo de opinião (datado de 31 de Agosto) é parte integrante da Secção do Leitor do «Jornal de Notícias»; tendo sido posteriormente publicado também no «Diário Insular».
Saudações florentinas!!

55 comentários:

Anónimo disse...

Realmente há muita prepotência das companhias aéreas e muitas vezes não cumprem a legislação nacional e europeia.
Para mais, muitas dessas companhias são beneficiárias directas dos nossos impostos.Os funcionários muitas vezes têm má-fé em explicar aos clientes os respectivos direitos.

Anónimo disse...

Este sogro do Macaco é lixado...´! Para o ano são três pessoas ,mais o cão Pastor Alemão e o Macaco !
Em vez de uma caixa, vai ter duas...
Sera que vamos ter "Do Porto á Ilha das Flores em 62 horas II" ????
A Saga continua...

Anónimo disse...

Não é preciso sair do Porto para chegar dois dias depois ás Flores...basta querer chegar ás Flores a partir de outra ilha!
São os custos de uma insularidade que ainda hoje é uma realidade.Lamentam-se algumas ocorrências mas o factor metereológicos será sempre incontornável.

Anónimo disse...

Será que a SATA pagou a alimentação do pastor alemão?
Para mim ele é que foi o grande heroí destas peripécias...

Anónimo disse...

Eu quando vou de férias, deixo o meu São Bernardo em casa!

Anónimo disse...

Já tinha saudades do nosso intelectual Aurélio. Vejo que não perdeu qualidades... eheh

Anónimo disse...

Verdade se diga que a situação é chata, mas ha aqui um factor que infelizmente nós não podemos mudar, que é o tempo...e poucos são os que ja viajaram que nao tiveram TAMBEM problemas devido ao tempo.
Mas este senhor além de ser especial...tambem tem um Pastor Alemão que deve ser primo do MAX (o Cão Policia) pois é igualmente especial !
Se tinha deixado o monte de pulgas lá..a situaçao tinha sido menos chata.
Mas tambem ao deixar o P.Alemão lá...o artigo teria apenas 3 ou 4 linhas e iria perder toda a emoção ;)
Um bem haja ao nosso Braz por mais um dos seus "Tesourinhos Deprimentes"

Anónimo disse...

A Sata tem que ir pensando em elaborar a ementa para o Macaco ou será que já a pratica... é porque parece que este já é muiiiiiiiito viajado à custa do Erário Público, nunca permanecendo no seu pseudo local de Trabalho. Coitado, mas ele não tem CULPA!!!!

Anónimo disse...

Este “Senhor” é muito especial, para além das medidas tiradas à jaula da fera da forma como toda as pessoas conhecem, este sujeito continua a querer divulgar a nossa Ilha da melhor forma... Muito OBRIGADO.
Ps.: Para o próximo ano escolha outro local para passar férias, não precisamos de mais génios por cá.

Anónimo disse...

Só tive pena do pastor alemão.Dava um sósia do Max e aqui nas Flores tinha muito por onde farejar....

Anónimo disse...

Macaco? Dr. Macaco, se faz favor! Pelo que ouvi é uma exigência a que se dá o luxo. Para a próxima, em vez de deixar o cão na casota, olhe, que deixe o "Macaco" na jaula.

Anónimo disse...

Eu quero é um pastor alemão a farejar algumas pistas....anda, boby...anda...

Anónimo disse...

Passo a citar:

"Este “Senhor” é muito especial, para além das medidas tiradas à jaula da fera da forma como toda as pessoas conhecem"

Ora aqui está mais um episodio deste "Senhor" , referido por um dos anonimos que é partir a moca a rir ! Quem conheçe a cena , sabe que este senhor é capaz de qq coisa !

Se o cão crescer, o proximo a tirar medidas é o Sr Dr Macaco...visto que tem forte porte atletico, ha-de ter as mesmas medidas do Cão...mais palmo menos palmo !

brazaville disse...

Eu , Francisco Aurélio Braz tenho um genro que se perdeu no mato...para a proxima levo este magnifico cão que possuo para o encontrar !

Anónimo disse...

Concordo na íntegra com o comentário. A Sata Açores é a pior companhia aérea, a nível de ligações inter -Ilhas, e não só: o atendimento nos balcões do Sata, a nível Ilha das Flores, expedição de bagagem no terminal (carga), informações de ligações com outras companhias, enfim, um grupo péssimo, excepto uma ou duas excepções. E o pior é que não temos opções de escolha! É caso para dizer que a concorrência faz falta!

Anónimo disse...

Comentários destes só podiam vir de gente com mentalidade tão pequena como a ilha onde vivem. É pena pk a ilha é bonita e vocês só a poluem.
Mais uma prova k são das Flores, é k para além de nem terem comentado a viagem, preferiram mexericar na vida pessoal da filha do autor da reclamação e em fazer comentários sobre o namorado.
Mais mais degradante que isto, é escrevem este tipo de coisas em anónimo e pessoalmente serem uns hipócritas e reagirem como "amigos".
Tristes, é a única palavra k tenho para vocês.
PS- o meu nome n interessa, apenas digo que sou florentina com mt gosto, nao pelas pessoas k a ilha tem mas pelas belezas naturais.

Anónimo disse...

É uma idiotice pegada escrever "k"
para aqui e para ali....infelizmente o analfabetismo já chegou à internet....
Não há paciência para tantos "ks"....

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

Dá-se um premio no valor da senha de presença do presidente do conselho de administraçao (600.00€)da impresa municipal a quem descobrir que plantiu sairá da sementeira de pneus realizada há dias pelo douto presidente santacruzense algures em propriedade do municipio

Anónimo disse...

Cultura nas Flores!? O que a malta gosta nesta ilha é de musica pimba, mexericos, copos, mentiras, difamações... não vejo ninguém a ler um livro, aliás nem biblioteca em SC temos.

Anónimo disse...

Ele plantou pneus!? Não acredito em tamanha mentira! Acho que não seria burro suficiente para cometer um atentado desta natureza. Mas já agora quero saber o local para poder verificar o plantio.

Fórum ilha das Flores disse...

Mais uma vez pedimos o favor de não se desviarem do assunto do post nos comentários...
Obrigado

Anónimo disse...

ADOREI este comentário ah ah foi o melhor de todos :
"Cultura nas Flores!? O que a malta gosta nesta ilha é de musica pimba, mexericos, copos, mentiras, difamações... não vejo ninguém a ler um livro, aliás nem biblioteca em SC temos"

Anónimo disse...

Procure nos arredores de santa cruz que se calar com o adubo que levaram do burro que mandou semear os pneus já nasce alguma coisa !!!!

Anónimo disse...

Por falar em avioes,já viram a aterragem do jumbo:) no corvo?Está no youtube em qualquer coisa como "aterragem corvo".E já agora,o que é que o aviao foi lá fazer?Tentativa de suicidio?

Anónimo disse...

Será que o Sr. Aurelio trazia o pastor alemão para detetar onde os penus estavam semeados e o jumbo que aterrou no corvo se calar enganou na rota, porque vinha para as Flores buscar as plantas de pneus para os paises civilizados

Anónimo disse...

Os empregados da sata só criam barriga, náo fazem nada, especialmente aqueles que estão no balcão de atendimento mal encarados e às vezes arrogantes. O Daniel Mateus já é o chefe do aeroporto/ANA???

Anónimo disse...

Já houve muita boa gente que levou mais tempo e muitos mais dias a chegar às Flores....e até idos de mais perto do que do Porto!
E também há coisas bem piores, portanto...

Anónimo disse...

eu já, nos anos 80 levei uma semana de s. miguel ás flores.

Anónimo disse...

Ora bem! E nem conseguir chegar às Flores e ter que voltar para trás porque entretanto as férias já tinham acabado, etc, etc,etc

Anónimo disse...

Sim realmente há coisas piores, mas isso não implica que não possamos falar destes temas...ou será pecado? Hum...terei de ir à missa nas Flores porque lá é que se ganha cultura?!!

Anónimo disse...

Este blog é ridículo!
Hoje em dia existem blogs para tudo e mais alguma coisa em que as pessoas dão os seus pontos de vista acerca do assunto em causa, mas neste, a única preocupação desta gentinha é criticar, insultar, difamar e falar de outros temas que não interessam para nada.
Sem dúvida os habitantes florentinos ainda não estão preparados para tanta tecnologia...voltem para as terras!

Nelson Fraga disse...

olá!!
@ comentador@ anónim@ acima [das 22h39 de 16 de Novembro] é absolutamente adorável e um enorme paradoxo de si mesm@!!
afirma @ dit@ senhor@ comentarista: «existem blogs para tudo e mais alguma coisa em que as pessoas dão os seus pontos de vista acerca do assunto em causa, mas neste [blogue, o «Fórum ilha das Flores»], a única preocupação desta gentinha é criticar, insultar, difamar e falar de outros temas que não interessam para nada». depois dizendo (para finalizar em tremenda apoteose): «sem dúvida os habitantes florentinos ainda não estão preparados para tanta tecnologia... voltem para as terras!»

mas então onde ficaram «os seus pontos de vista acerca do assunto em causa»?? porque raio «a [sua] única preocupação (...) é criticar, insultar, difamar e falar de outros temas que não interessam para nada»?? não me parece que afirmar que «os habitantes florentinos ainda não estão preparados para tanta tecnologia... voltem para as terras!», seja dar «os seus pontos de vista acerca do assunto em causa» mas será antes simplesmente «criticar, insultar, difamar e falar de outros temas que não interessam para nada»... ou não será assim?? :p

Anónimo disse...

Desculpem intrometer-me,e não venho aqui defender ninguém, mas o seu comentário (Nelson Fraga) também nada tem a ver com o assunto do blog. Acabou por fazer exactamente o mesmo que outra pessoa, ou seja criticar...

Anónimo disse...

O Nelson tem razão.Quando um morcão diz que os "florentinos não estão preparados para tanta tecnologia...." ele tem legitimidade para reagir.
Até acrescento: os florentinos não estão preparados para aturar aves de arribação ou forasteiros com a mania que são muito "desenvolvidos"....
Para esse "mosca" já estamos vacinados...

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Nelson Fraga disse...

olá!!
o meu anterior comentário (ob)teve "resposta" [por um@ anónim@] às 21h14 de [ontem] 17 de Novembro...
pois bem... eu não pretendo dar quaisquer lições de moral a quem quer que seja... mas também não aceito lições [de moral, ou quaisquer outras] de qualquer um@...
no meu anterior comentário [um pouco mais acima], eu apenas pretendi que @ noss@ anónim@ comentador@ [das 22h39 de 16 de Novembro] provasse um pouco das suas próprias palavras e se desse conta da sua própria contradição... de resto, tudo na boa!! acho que casa pessoa deve comentar como bem lhe apetecer (dentro da necessária civilidade e respeito pel@s outr@s...)

Anónimo disse...

Mas o assunto era a SATA e as suas (in)eficiências. Já foi referido neste blog em outros comentários: a SATA só tem uma salvação: privatizar: certamente que o grupo BENSAÙDE fica com aquilo, e eles vão ter de acertar o o passo: as meninas birrentas e arrogantes, os montes de banha amorfos, as senhoras petulantes, etc etc, vão ter de acertar o passo. Até se calhar, nem precisam acertar o passo, pois eles são tantos que metade sobram, pelo que os que chegarem de novo, vão agradecer a sua colaboração, mas vão dizer que não precisarão deles, e o assunto ficará resolvido. Mais um pormenor: a loja da Senador André de Freitas deixará de ser pois de tertúliase mexericos. Até mete impressão chegar-se lá e estarem as visitas sentadas nas cadeiras, e os clientes que esperam terem de estar encostados às paredes. A propósito, parece que o primeiro exemplar do livroo de reclamações do Aeroporto já está cheio, e eque já estão noutro volume. Chissa ....

Anónimo disse...

Estou de acordo quando se diz que esta gentinha das flores só quer é criticar e falar mal.Pois esta ilha é linda, mas algumas pessoas que nela vivem é que a estragam.
Mas comentando o assunto em causa: acho muito bem que esse senhor conte a sua história, pois acho que ninguem gostava de demorar tanto tempo a chegar a ilha das flores, nem iria gostar de passar pelo mesmo que esse senhor passou.
Criticar não custa nada, mas quando as coisas acontecem connosco já é tudo diferente.
Mas as pessoas aproveitam depois estas alturas é para criticar as pessoas e os filhos e genros e etc.Tudo serve para se falar mal das pessoas.Acho isso ridiculo!

Anónimo disse...

esses moços se fossem trabalhar no duro quando chega-se ao fim do dia já não falavão mal de ninguem.

Anónimo disse...

Realmente o português está pelas ruas da amargura!!!

Anónimo disse...

olha este ficou com dores de cotevelo anda por aqui só a falar mal das pessoas e não se bota ao trabalho, vai trabalhar que há tanta terra para cavar.

Anónimo disse...

olha que o Drº Luís é um frequentador assíduo da loja das tertúlias, aquilo é cíclico, por volta das 17:00 lá vamos todos Youpiiiiiiiiiiiiii e por vezes de lá de dentro vem os "meçinhos" cá fora tomar ar fresquinho. Não levem a mal, é chato um dia inteiro fechado e só aturando fregueses !!!

Anónimo disse...

Eurekaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa achei uma solução, pega-se naqueles dois ali da loja das tertúlias como vocês dizem, mandamo-los para o Aeroporto e de lá trazemos a menina do Lajedo e uma outra boazona qualquer, a viúva por exemplo.

Anónimo disse...

Eu acho que os termos do comentário anterior são pouco adequados.

odocentrodavila disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

oh das 7:23 de 24 Nov , se passasses por lá e estivesses pendurado à espera daqueles serviços verias se são pouco ou muito adequados.

Anónimo disse...

Diria mais, aquelas pobres de espírito do Aeroporto são de uma simpatia contagiante!!!!!!!!!!!!!!!!!! Parece que têm o Rei na barriga, é preciso ter aço para não lhes ir às fuças.

Fórum ilha das Flores disse...

Caro "odocentrodavila" [autor do comentário às 15h41 de 28 de Novembro]:

pedimos-lhe (encarecidamente) para nas próximas vezes [em que você faça copy&paste dalgum texto de outrém para este espaço de comentários] apenas indique o endereço internético do próprio texto, em vez de reproduzir integralmente aqui esse texto... no presente caso, esse texto do Rui Vasco Neto está disponível em http://setevidascomoosgatos.blogspot.com/2007/11/ e-por-falar-em-aores.html.

Para além do copy&paste [do já referido texto] o "odocentrodavila" havia escrito o seguinte texto no seu comentário:

este texto foi extraído do excelente blog (http://setevidascomoosgatos.blogspot.com) pertença do jornalista e nosso compatriota açoriano o Vasco Rui Neto, vale a pena ler.

NF

odocentrodavila disse...

Srº Nelson, li a sua mensagem e fiquei perplexo, não entendo que mal origina eu ter feito o copy/paste e ter colocado o post do Rui Vasco Neto aqui?!? Sempre é de mais fácil acesso ler aqui em vez de linkar, não será? Por vezes nao entendo os vossos critérios, mas bom isso é vosso e são vocês que administram, por mim tenho muito onde comentar e sem alguma "censura" como por vezes noto aqui, passar bem, devo ainda dizer que esse termo "censura" já o li muitas vezes neste fórum, porque será?

Anónimo disse...

Neste caso tenho que discordar com o meu camarada de Blogue, Nélson Fraga! Não vejo grande mal na cópia dum texto para a caixa de comentários, desde que não seja um testamento...

PAulo Henriques

odocentrodavila disse...

Srº Paulo ainda bem que está de acordo com o signatário, mas creia-me que por muito longo que fosse o copy/paste seguramente era bem menor que o post que o origina !! Bom trabalho e bons comentários

Nelson Fraga disse...

olá senhor "odocentrodavila" [e também @s outr@s demais noss@s leitor@s]!!

diz você, meu caro (incógnito) "odocentrodavila", que ficou perplexo com a minha anterior mensagem... pois bem:

1) este é um espaço de comentário(s) [vá lá ver ao Dicionário: substantivo masculino; significante de série de notas explicativas dum acontecimento ou obra; crítica; explicação; esclarecimento; análise]. por isso mesmo, aqui deve acontecer algo disso: explicação, crítica, esclarecimento, análise... o seu anterior texto [que eu apaguei] era uma simples transcrição de um outro texto (de um outro autor), nada da sua própria opinião lá estava [se exceptuarmos o seu (curto) elogio ao texto do RVN, de que você fez integral copy&paste];

2) o texto do RVN por si transcrito tem 2.645 caracteres (sem contar com os espaços [com eles fica-se em 3.201])... parece-me um profundo exagero (tamanho espaço para a transcrição de um texto de outrém) num lugar pequeno como é esta nossa janelinha de comentários;

3) uma das grandes diferenças da internet para os outros (anteriores) meios de comunicação são as hiperligações; saibamos dar bom uso à funcionalidade que elas nos providenciam, pois assim simplificamos muito todos os processos.

4) devo elogiá-lo profundamente, meu caro (desconhecido) "odocentrodavila", pelo facto de nos ter dado conhecimento desse texto do RVN que é deveras interessante e relata mais uma (triste) situação acontecida com a nossa operadora de transportes aéreos; mais a mais, esse texto até versa sobre o tema do nosso texto no blogue [o que (por vezes) é incomum neste espaço de comentários]. muitos parabéns e obrigado!
mas parece-me mais correcto que (em próximas vezes) você [ou qualquer outr@ noss@ leitor@] deixe aqui o devido endereço internético (URL) do texto que pretende referir ou simplesmente copie&cole apenas alguns seus excertos (os mais relevantes, pois o texto transcrito era deveras longo) e dê alguma (concreta e substantiva) opinião de sua própria lavra.

5) ainda bem que você, meu caro (incógnito) "odocentrodavila", tem muito onde comentar, fico muito feliz com isso e aqui também é (sempre) bem-vindo para deixar a sua opinião e o seu comentário.

6) essa mania recorrente de [por toda e qualquer coisa que se suceda no espaço de comentários deste blogue] brandirem logo com a palavra CENSURA, parece-me uma acusação (no mínimo!) manifestamente exagerada e pouco fundamentada.
quando eu apaguei esse seu "comentário", meu caro (desconhecido) "odocentrodavila", efectuei imediatamente uma justificação do meu acto, em tom de pedido: «nas próximas vezes [em que você faça copy&paste dalgum texto de outrém para este espaço de comentários] apenas indique o endereço internético do próprio texto, em vez de reproduzir integralmente aqui esse texto». talvez que (duma próxima vez) eu tenha que explicar logo tudinho tin-tim por tin-tim... tentarei não me esquecer de assim o fazer.
para finalizar: a grande questão é que eu não censurei nenhuma opinião sua!, meu caro (incógnito) "odocentrodavila", pois (no meu imediato comentário) eu transcrevi todo o texto da sua lavra e coloquei lá o endereço internético para o texto do RVN [que você havia transcrito na íntegra e que (esse texto, sim) eu apaguei].
por favor vá lá novamente ao Dicionário [censura: substantivo feminino, significante de interditar ou restringir a livre manifestação de pensamento próprio]. diga-me, meu caro (desconhecido) "odocentrodavila", o que eu censurei do seu próprio pensamento??

Pepito disse...

Olha o paladino da verdade

Anónimo disse...

Quem tu?